Reconhecimento das especiais do Rally de Ponta Grossa é marcado por chuva

Previsão do tempo não confirma chuva para o sábado, mas poças d´água já foram anotadas nas planilhas dos navegadores
pontagrossa-sexta-cba

 
Para quem acompanha o Campeonato Brasileiro de Rally de Velocidade a falta de água em algumas regiões do país nem parece ser uma realidade. Assim como aconteceu no Rally de Erechim, onde um dilúvio que seria capaz de fazer com que a captação de água do Sistema Cantareira saísse da fase do volume morto, o Rally de Ponta Grossa, marcado para os dias 20 e 21 de setembro, já começa com bastante água logo na sexta-feira de reconhecimento dos trechos. Serão 146,6 quilômetros cronometrados com dez especiais, seis no sábado e quatro no domingo.

A prova no interior paranaense é o quarto evento da temporada de 2014 da competição nacional e também será válido pelo torneio paranaense. No final do dia, as 19 duplas inscritas que chegaram no Parque de Apoio do Centro de Convenções de Ponta Grossa comentaram sobre os trechos bastante prejudicados pela chuva. Com o carro com barro até no teto, o atual líder da categoria CBR2 Luccas Arnone se mostrou impressionado “É muito barro. Tem até erosão causada pela chuva”, contou o piloto, que divide o Peugeot 207 com o navegador Andrey Karpinski.

A previsão do tempo não é precisa sobre as chances de chuva neste sábado, mas, ainda assim, o piso deverá apresentar as mesmas características do reconhecimento desta sexta. Mesmo escorregadio, o traçado continua sendo de alta velocidade. “Os trechos dos dois dias são muito rápidos e, mesmo encharcados, deveremos andar a uma média de 130 km/h”, diz Thiago Osternack, navegador do Peugeot 207 com o piloto Jean Pimentel. O shakedown que deveria ser feito no autódromo de velocidade na terra de Ponta Grossa teve de ser cancelado.

No Campeonato Brasileiro os competidores estão divididos em três categorias, CBR1 – onde corre carros com tração 4×4, CBR2, com os carros de tração simples, motor até 1.600 cilindradas com preparação e a CBR3 que conta com carros também 4×2 com motor até 1.600 cilindradas e que se mantém originais.

A programação para este sábado traz a largada do primeiro carro na primeira especial às 10h23 e após seis especiais, o último carro deve chegar no Parque Fechado às 16h13. No domingo serão mais quatro especiais com a largada do primeiro carro marcada para as 8h33. A previsão de chegada do último carro no Parque Fechado é às 12h42.

Atualmente o Campeonato Brasileiro de Rally de Velocidade traz a seguinte classificação para os três primeiros de cada categoria:

Categoria CBR1
1. Ulysses Bertholdo / Marcelo Dalmut – Mitsubishi Lancer – 94 pontos.
2. Ricardo Malucelli/Giovan Bordin – Mitsubishi Lancer – 91 pontos
3. Dimas Pimenta III / Rodrigo Konig – XRC Peugeot 207 – 81 pontos

Categoria CBR2
1. Luccas Arnone / Andrey Karpinski – Peugeot 207 – 111 pontos
2. Rafael Tulio / Gilvan Jablonski – Peugeot 207 – 80 pontos
3. Pedro Zamith / Gilson Rocha – 75 pontos

Categoria CBR3
1. Toninho Genoin / Maicol Souza – Peugeot 206 – 96 pontos
2. Marco Malucelli / Vinicius Anziliero – VW Gol – 94 pontos
3. Evandro Carbonera / Eduardo Tonial – Peugeot 206 – 91 pontos

Confederação Brasileira de Automobilismo
Relações com Imprensa
Dinho Leme
Foto: Edson Castro