logo-erb-brancoverm

Sertões: X Rally Team/NWM vence no cronômetro

Somados apenas os trechos cronometrados, o Ford Ranger 4x4 de Cristian Baumgart/Beco Andreotti fez a melhor marca no acumulado. Última etapa foi encurtada e gerou polêmica, entregando a vitória nas mãos de Spinelli/Haddad
sertoes-final-xrally
30/08 – 7ª etapa – Diamantina (MG)-Belo Horizonte (MG)
Deslocamento inicial: 59 km
Trecho especial: 125 km (encurtada para 74 km)
Deslocamento final: 146 km
Total do dia: 331 km

O Rally dos Sertões terminou neste sábado após 331 quilômetros entre as cidades de Diamantina (MG) e a capital Belo Horizonte, definindo os campeões de todas as suas modalidades e categorias. No entanto, o maior rally do país terminou com uma polêmica entre os carros.

Nos 125 quilômetros previamente válidos de especial, o Toyota Hilux da dupla Reinaldo Varela/Gustavo Gugelmin venceu o trecho com 1h37min21s, um minuto e vinte segundos à frente do Ford Ranger 4×4 de Cristian Baumgart/Beco Andreotti – vencedores da etapa anterior -, seguido do outro Ranger do X Rally Team/NWM de Marcos Baumgart/Kleber Cincea. Em quarto veio a dupla da Mitsubishi, formada por Guilherme Spinelli/Youssef Haddad, 5min37s atrás dos vencedores, depois de terem parado para trocar um pneu furado a dez quilômetros do fim da especial.

Este resultado daria o título do Sertões 2014 a Varela e Gugelmin, deixando Cristian Baumgart e Beco Andreotti em um bom segundo lugar na primeira participação do Ford Ranger construído pela NWM Motorsports e trazido pelo X Rally Team no Brasil.

A quilometragem foi cumprida pela maior parte dos competidores, mas um acidente ainda no km 77 da prova, com o protótipo da categoria Pró-Brasil, de Zeca Sawaya e Marcelo Haseyama, bloqueou o trecho impedindo a passagem dos competidores restantes. Por isso, a direção de prova decidiu interromper a especial e declará-la válida com final no km 74 – trecho do último waypoint antes da interrupção, já que outros carros não conseguiam passar em virtude do bloqueio da pista.

Assim, mesmo com os carros da categoria T1 FIA tendo completado toda a especial (pois passaram pelo trecho crítico antes do acidente), para eles também passou a valer os tempos computados até o km 74, beneficiando a dupla formada por Guilherme Spinelli e Youssef Haddad, que só haviam parado para trocar os pneus no km 115 do trecho, alterando o resultado também na categoria que não fora prejudicada pelo acidente acontecido logo depois.

A interrupção diminuiu a desvantagem do Mitsubishi ASX de 5min37s do trecho completo para apenas 1min17s até o km 74, deixando Spinelli e Haddad com vantagem suficiente para se manter em primeiro na soma dos tempos e conquistar mais um título do Rally dos Sertões.

“É o regulamento do Sertões, e temos que acatar, por mais que achemos injusto o corte da especial depois de todos os carros T1 FIA terem passado, é o resultado que vai valer. No Campeonato Brasileiro de Rally Cross Country funciona da maneira mais correta, mas estamos no Sertões e as regras que prevalecem são as do evento”, lamentou o navegador Beco Andreotti, que termina o rally em terceiro ao lado do parceiro Cristian Baumgart.

“Levamos um penal que adicionou cinco minutos na nossa soma ainda no primeiro dia de rally por termos perdido um waypoint no deslocamento final. Uma coisa que até o ano passado era somente passível de multa. Tanto é que na ocasião os próprios comissários reconheceram e disseram que vão estudar o assunto para o próximo ano. Isso aniquilou as nossas chances, por mais tempo que recuperamos durante todo o rally.”, apontou Cristian.

“Dentro das especiais não cometemos nenhum erro, não sofremos nenhuma penalização. Se isso prevalecesse, teríamos sido os campeões. Mas sinceramente eu acho que o Varela merecia este título pela maneira que ele pilotou. Ele esteve rápido o tempo todo e levou uma punição de dez minutos dentro da especial em uma zona de radar no segundo dia”, explicou.

Marcos Baumgart fez uma leitura diferente. “Acho que este Sertões foi um grande teste para nós. Enquanto nossos concorrentes já tinham a mão do carro, já competiam com ele há pelo menos dois anos, nós iniciamos o Sertões com dois carros completamente novos e, no caso do Cristian, ele começou o rally tendo andado apenas 150 quilômetros com o Ford Ranger”, destacou.

O navegador Kleber Cincea já aposta em um projeto de longo prazo. “Foi um grande Sertões, mas é uma pena ter terminado desse jeito. O rally todo foi muito competitivo e até hoje cedo qualquer um dos três primeiros podia sair campeão. Repito: uma pena ter terminado desse jeito, mas ano que vem a equipe estará ainda mais preparada e nós quatro bem mais acostumados ao carro”, afirmou.

Foi a primeira experiência da NWM Motorsports no Brasil, e após a estreia dos Ford Ranger 4×4 no Dakar deste ano, o time sul-africano veio ao Brasil com o X Rally Team com algumas atualizações nos carros. O chefe da equipe, Neil Woolridge, destacou a performance dos dois carros no rally.

“Acho que para uma primeira experiência, foi fantástico. Cristian e Marcos pilotaram muito bem, mesmo tendo pouquíssimo tempo com estes carros, que são muito diferentes do que eles estavam acostumados. Ainda houve o problema no câmbio do carro do Marcos, e a peça será entregue à fabricante para que o defeito seja investigado. De qualquer forma, minha avaliação é positiva”, disse.

“Nas especiais eles foram os mais rápidos e os mais regulares. Eles se colocaram entre os favoritos e andaram a maior parte do tempo na frente de campeões do rally. O regulamento serve para colocar ordem nas coisas. Às vezes ficamos contentes com ele, outras vezes não. Assim é o esporte, assim é a vida. O importante é termos iniciado um excelente relacionamento com o X Rally Team, e estes sete dias foram fantásticos”, resumiu o preparador.

Confira os tempos da sétima e última etapa (cat. T1 FIA)
1-) Reinaldo Varela/Gustavo Gugelmin (Toyota Hilux) – 52min49s
2-) Cristian Baumgart/Beco Andreotti (Ford Ranger) – 53min04s (-15s)
3-) Guilherme Spinelli/Youssef Haddad (Mitsubishi ASX) – 54min07s (-1min17s)
4-) Marcos Baumgart/Kleber Cincea (Ford Ranger) – 55min03s (-2min13s)

GERAL ACUMULADO (T1 FIA):
1-) Guilherme Spinelli/Youssef Haddad (Mitsubishi ASX) – 17h06min43s
2-) Reinaldo Varela/Gustavo Gugelmin (Toyota Hilux) – 17h08min38s (-1min54s)
3-) Cristian Baumgart/Beco Andreotti (Ford Ranger) – 17h09min11s (-2min27s)
4-) Marcos Baumgart/Kleber Cincea (Ford Ranger) – 28h26min51s (11h20min07s)

Para baixar mais fotos da equipe X Rally team, acesse:
Carro #303 e
Carro #316
Créditos: WEBVENTURE

A equipe X Rally Team é patrocinada por Center Norte e Vedacit, com apoios da Ford, Arai, e GoPro
a
Conheça a equipe em: www.xrallyteam.com.br

Siga-a no Twitter: @X_Rally_Team

E também no Instagram: @xrallyteam

P1 Media Relations
CLEBER BERNUCI, jornalista responsável
Foto: Ricardo Leizer/Webventure