logo-erb-brancoverm

Dague Paia Rally Team conquista primeira dobradinha de pódio no Sertões 2013

Irmãos Franciosi, Rafael Capoani e Rogério Almeida cravam 3o e 4o melhores tempos na primeira especial

26-dague

A expectativa agora é de buscar desempenho ainda melhor na segunda especial do Rally dos Sertões 2013, este sábado (27), nos 287 quilômetros cronometrados (414 no total) de Pirenópolis (GO) a Uruaçu (GO). Com uma dobradinha espetacular de apenas um minuto de diferença entre o 3o e 4o lugares, as duplas da Dague Paia Rally Team (FMC / Maxum – Case IH / Petronas Syntium / Mitsubishi) foram destaque na especial de 84 quilômetros (249 no total) que abriu o segundo maior rally do mundo, sexta-feira, de Goiânia (GO) a Pirenópolis (GO).

O piloto João Franciosi, de Luís Eduardo Magalhães (BA), e o navegador Rafael Capoani, de Caxias do Sul (RS), chegaram atrás apenas dos multicampeões Guilherme Spinelli/Youssef Haddad, em segundo, e Stéphane Peterhansel/Jean-Paul Cottret, em primeiro. O piloto Romeu Franciosi, também de Luís Eduardo Magalhães (BA), e o navegador Rogério Almeida, de Russas (CE), completaram a dobradinha de Mitsubishi Triton SR no bloco da dianteira do maior rally do planeta disputado em um só país.

“A de hoje foi uma especial curta, rápida no início e um pouco mais travada no final. A grande notícia é que o carro respondeu muito bem. Está ainda melhor do que no ano passado”, avaliou Capoani.

Para Romeu Franciosi, a única ressalva ficou por conta de um concorrente que voltou subitamente à pista após uma troca de pneus, tirando alguns segundos preciosos do conjunto 308 da Dague Paia, que vinha embalado.

“De resto, tudo certo. Dosamos um pouco o carro na chegada, só para evitar problemas, mas ele está muito bem. A suspensão dele é algo excelente”.

No sábado, o desafio multiplica-se de extensão. Serão ao todo 414 quilômetros de Pirenópolis (GO) a Uruaçu (GO), sentido norte de Goiás, com 287 quilômetros cronometrados. A cidade tem como um dos grandes atrativos turísticos o lago artificial de Serra da Mesa, um dos maiores do mundo formados pela construção de uma usina hidrelétrica.

“Pelo que pudemos antecipar teremos muitos trechos de radar, mata-burros e pontes. A navegação, portanto, será novamente muito exigida”, comenta Capoani.

DNF Press